A aposentadoria da minha Chevy 500 SL 1.6/S ano 1990

Quando eu estava na faculdade (93 a 96) meu sonho de consumo era ter uma Chevy 500, meu amigo Digão teve uma na época e sempre achei muito legal. Mas para eu ter uma Chevy na época teria que vender meu “Voyagessauro de estimação” (estava pagando um apto e a faculdade), então só fui ter minha Chevy 500 em 2002, quando ganhei de presente dos meus Pais!!!

DSCN8898

Neste 12 anos e 65.000km rodados, aconteceram algumas “raladas” na lataria, pequenas batidas, 1 reforma geral e 2 repinturas. Mas a decisão da aposentadoria foi o ano passado após uma Senhora falando ao celular bater na traseira da Chevy e a dificuldade em encontrar algumas peças para reposição. Vale alertar, que a seguradora da “Senhora distraída” era a AZUL que após muita enrolação “deu PERDA TOTAL” em minha Chevy, óbvio que não aceitei, exigi apenas uma indenização no valor das peças.

Parece pouco. Mas o painel atrás do parachoque está bastante afundado e precisaria ser trocado.

Parece pouco. Mas o painel atrás do parachoque está bastante afundado e precisaria ser trocado.

A minha surpresa é que não pagaram e ainda me acusaram de fraude, dizendo que minha Chevy já estava amassada antes do acidente (?!?hein???). No fim das contas achei melhor ficar com o prejuízo, guardar a Chevy na Garagem 150 e comprar outra “camionetizinha!!!” (como dizia meu afilhado quando era criança).

Hot Wheels da minha família reunidos na Garagem 150

Hot Wheels da minha família reunidos na Garagem 150

Para substituir minha Chevy 500 na tarefa de me levar ao trabalho comprei uma Saveiro G3 02/03 fase 1 que era de um grande amigo.

Saveiro G3

Saveiro G3

Esse post foi publicado em #Página Principal, Geral, Minha Chevy500 SL 1.6S 1990, Sem categoria e marcado . Guardar link permanente.

7 respostas para A aposentadoria da minha Chevy 500 SL 1.6/S ano 1990

  1. Adriano disse:

    Fala meu amigo!

    Viu, mandei uns e-mails pra você, vê se por acaso você recebeu…

    Dá uma olhadinha no spam também hehe

    Achei o manual de peças do Monza aqui em casa, esse é show de bola, queria mostrar ele pra você!

    Abraço!

  2. Rafael Santos disse:

    Opa cara, tudo bem ? Estou restaurando DIY meu monza ,tenho um s/R 87 e estou fazendo agora um Ascona .Me diga uma coisa, vi que voce pintou os frisos do parachoque do monza … eu tô querendo pintar os meus ,mas estou com uma dúvida,você pintou eles fora do parachoque mesmo ? Pelo fato deles serem flexiveis , não vai estourar a tinta se eu remover pintar e reinstalar? Mais uma coisa, eles são encaixados por pressão ,certo ? a pressão que temos que fazer com os dedos para reencaixá-los não vai marcar a pintura com digitais ?
    Gde abraço !
    Rafael – Jundiai – SP

    • garagem150 disse:

      Rafael, desmontei, pintei fora, esperei secar bastante e depois montei novamente. mas para ficar 100% só colocando frisos novos. pintá-los foi uma solução temporária até eu encontrar os novos para comprar.
      vamos conversar sobre a sua restauração me envie um email com algumas fotos para:san.garagem150@uol.com.br

  3. Tiago disse:

    Tudo bom? Vi seu blog por acaso, e li sobre a Chevy. Uma total falta de bom censo e vergonha da parte da seguradora. Tenho uma DL 93/93, que gosto muito dela. Sei como é o carro, faz 3,5 anos que tenho e melhorei muito ela, em questões de acabamentos, limpeza, detalhes de originalidade, que o antigo dono fez o favor de estragar com o carro. Uso no dia-a-dia, porém ando pouco de carro. Pintura, estrutura perfeita, enfim, peças hoje se acha fácil, em sites que conheço e comprei algumas. Sobre o painel traseiro, procure tentar voltar com o “spoter” (repuxadeira), melhor que trocar a peça, ter de cortar, soldar outro e a qualidade do material ser muito inferior. Engraçado o para-choque ser cromado. Até onde sei, saíram apenas até 86, com a grade reta, retrovisores diferentes, motor amarelo 1.6 (não “S”, pois esse era cinza e começou a ser fabricado com potência maior, 82 cv e foi até o encerramento). Só uma dica, coloque as rodas de ferro dela, modelo DL, que ficarão muito melhor do que essas de gol rallye. Abraço.

    • garagem150 disse:

      Tiago,
      O painel traseiro já foi consertado uma vez, então gostaria de trocar mesmo. O parachoque da minha Chevy, pintei da cor do carro, eram pretos e sem borracha, os retrovisores são originais e o motor é cinza mesmo, 1.6/S a gasolina. Talvez a confusão pois minha Chevy é 1990. Sobre as rodas: como instalei freios de VW as rodas precisam ser aro 14 de VW para encaixar. Mas após a restauração ela usará BBS.

      • Tiago disse:

        Olá,
        Bacana que já foi consertado. Rodas aro 14, ficará melhor de estabilidade. Também fica legal a pintura dos para-choques da cor do carro. Não sei quais anos, versões, ao certo que saíram, se são opcionais de fábrica, mas fica muito bom também. Já vi muito em algumas Chevy DL 92 e 93, com os borrachões. Já no modelo Camping, como foram brancas, saíram com os para-choques e as rodas de ferro, com as calotas centrais de preto, pintadas de branco também. Acredito serem requisitos como opcionais, como por exemplo, a minha possui os para-choques pretos sem furos dos borrachões e sem eles, claro, e outra, sem os vidros verdes, nela são todos brancos, inclusive o para-brisas sem ser degradê. Estão todos com a numeração de chassi. Achei estranho, digo se tratando do modelo DL, a versão mais luxuosa da linha na época, depois da SL/E que também foi.

        Parabéns pelos carros, abraço.

  4. Pingback: Restaurando minha Chevy 500 – post 1 | garagem150

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s